Bartolomeu Campos de Queirós viveu sua infância em Papagaio (MG), antes de se instalar em Belo Horizonte, onde reside e trabalha. Seu interesse pela literatura e pelo ensino da arte o fez viajar muito pelo Brasil. Visita as cidades, apreciando azulejos e casas, pacientemente – um andarilho atento a cores, cheiros, sabores e sentidos que rodeiam as pessoas do lugar. Em 1974 publicou seu primeiro livro, O peixe e o pássaro, e desde então vem firmando seu estilo de escrita como uma prosa poética da mais alta qualidade. Com formação nas áreas de educação e arte, cursou o Instituto Pedagógico de Paris. Desde os anos 70, tem destacada atuação como educador, em vários níveis, contribuindo com importantes projetos para a Secretaria de Estado da Educação e para o Ministério da Educação. Participa do Projeto ProLer, da Biblioteca Nacional, proferindo conferências e seminários sobre educação, leitura e literatura. Possui mais de 40 livros publicados no Brasil e vários deles traduzidos e editados em outros países.

É detentor dos mais importantes prêmios literários nacionais, como: Prêmio Cidade de Belo Horizonte; Prêmio Jabuti; Selo de Ouro, da Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil; Diploma de Honra da IBBY, de Londres; Premio Rosa Blanca (Cuba); Quatrième Octagonal (França); Prêmio Nestlé de Literatura; Prêmio Academia Brasileira de Letras, IV Premio Iberoamericano SM de Literatura Infantil e Juvenil. Com o livro Indez, foi o vencedor do Concurso Internacional de Literatura Infanto-Juvenil (Brasil, Canadá, Suécia, Dinamarca e Noruega). Vários de seus textos foram adaptados para o teatro, entre eles, Ciganos, encenado pelo Grupo Ponto de Partida. Sua obra tem constituído tema de teses acadêmicas (áreas de literatura e psicologia) em várias universidades brasileiras.

Pela RHJ: Ah! Mar; Correspondência; Mais com mais dá menos; Minerações; O Piolho; Por parte de pai; Raul Trocando gato por lebre ou menino por vaca, sendo este último, como tradutor.